ESCOLA DE MÚSICA - ELLAM

CRISTO É UMA QUESTÃO DE OPÇÃO

CRONOLOGIA BÍBLICA

CRONOLOGIA BÍBLICA

domingo, 17 de outubro de 2010

O Homem João, O Discípulo; O Apóstolo

O Homem João, O Discípulo; O Apóstolo
Foi manifesta nos livros da Bíblia a admiração de João por Jesus. Jesus chamou-lhe o Filho do Trovão e posteriormente ele foi considerado o “Discípulo Amado”.
  O evangelho de São João é tradicionalmente atribuído a João, o "discípulo amado", irmão de Tiago e filho de Zebedeu, um dos Doze Apóstolos, e foi escrito provavelmente entre os anos 95 e 100 d.C., sendo o último dos quatros evangelhos a ser escrito. (Mais recentemente, alguns estudiosos tem apresentado como possibilidade uma data anterior, talvez na década de 50 e não depois de 70 d.C.).
 Além do Evangelho segundo João, também escreveu as três epístolas de João (1, 2, e 3) e o livro do Apocalipse.
   A maior parte dos seus relatos é inédita em relação aos outros três evangelhos (Mateus, Marcos e Lucas), o que sugere que o autor tivesse conhecimento do conteúdo deles ao escrever seu livro. Mais da metade deste evangelho é dedicado a eventos da vida de Jesus Cristo e suas palavras durante seus últimos dias.  O propósito de João foi inspirar nos leitores a fé em Jesus Cristo como o Filho de Deus e o versículo que resume este propósito é Jo 20:31. João também dá ênfase na nossa total dependência de Deus para a salvação.
  João foi o mais novo dos 12 discípulos, tinha 24 anos de idade quando foi chamado por Jesus. Consta que seria solteiro e vivia com os seus pais em Betsaida. Era pescador de profissão na companhia do seu irmão Tiago, e tinha provável sociedade com André e Pedro. As heranças deixadas nos escritos de João, demonstram uma personalidade extraordinária. De acordo com as descrições ele seria imaginativo nas suas comparações, pensativo e introspectivo nas suas dissertações e pouco falador como discípulo. É notório o seu amadurecimento na fé através da evolução da sua escrita.
  Segundo os registros do Novo Testamento, João foi o apóstolo que seguiu com Jesus, na noite em que foi preso e foi corajoso ao ponto de acompanhar o seu Mestre até à morte na cruz. A história conta que João esteve presente, e ao alcance de Jesus, até a última hora e foi-lhe entregue a missão de tomar conta de Maria, mãe de Jesus. Mais tarde João Zebedeu esteve ligado a Pedro nas atividades iniciais do movimento cristão, tornando-se um dos principais sustentáculos da igreja de Jerusalém.
  Foi o principal apoio de Pedro, no Dia de Pentecostes. Depois da morte e martírio de Tiago, João casou-se com a viúva do seu irmão e uma das suas netas, que muito o amava, tomou conta dele nos últimos vinte anos da sua vida. João esteve varias vezes na prisão e foi exilado para a Ilha de Patmos, por um período de quatro anos, até que um outro imperador chegasse ao poder em Roma, local onde escreveu o Livro da Revelação ou Apocalipse.
 João viajou muito, trabalhou incessantemente e, depois de tornar-se dirigente das igrejas da Ásia, estabeleceu-se em Éfeso. Ele orientou o seu colaborador, Natan, na redação do chamado evangelho segundo João, em Éfeso, quando tinha a idade estimada de noventa e nove anos de idade. De todos os doze apóstolos, João Zebedeu tornou-se o mais destacado teólogo. E segundo relatos históricos, foi o único apóstolo com morte natural (a não ser martirizado), Morreu em Éfeso, no ano 103 d.C., quando tinha cento e um anos.
O Evangelho Segundo João; É o quarto e último Evangelho
  João - Pretende dar-nos a chave da compreensão do mistério da pessoa e da obra salvadora de Jesus, sobretudo através do recurso constante às Escrituras: «Investigai as Escrituras (...) são elas que dão testemunho a meu favor» (5,39).

O evangelho de João faz uso de contrastes bem definidos
- Luz e Trevas (1.4.9); - Amor e Ódio (15.17,18); - Do Céu e da Terra (8.23); - Vida e Morte;(6.57,58); - Verdade e Falsidade (8,32-47)
João usa constantemente para Jesus o termo “EU SOU”
  Jesus, que também era hebreu, utilizou para si o mesmo verbo com o qual Deus se manifestou em Ex. 3,13-14. É importante analisar esta expressão no Evangelho de João. O evangelista conhece a fundo o AT, conhece a cultura e a religião hebraica. Por isso, neste Evangelho, é interessante ver como o verbo “ser” é muito freqüente. E nos interessa muito que em João por três vezes1 (número da unidade) Jesus utiliza para si a expressão “EU SOU” sem que tenha algum complemento (Jo 8,24.28; 8,58; 13,19)2. Outra constatação importante é que quando Jesus usa o complemento ao verbo, o faz por sete vezes. Ou seja por sete vezes (o número perfeito) Jesus diz o que Ele é!
1) Eu sou o Pão da Vida (6,36.41.48.51);
2) Eu sou a Luz do mundo (8,12; 9,5); 
3) Eu sou a Porta (Jo 10,7.9.11.14);
4) Eu sou o Bom Pastor (Jo 10,11.14);  
5) Eu sou a Ressurreição e a Vida (Jo 11,25); 
6) Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo 14,6);
DIVISÃO E CONTEÚDO
  Prólogo (Abertura) - (1,1-18): uma solene abertura, que anuncia as idéias mestras.
I. Manifestação de Jesus ao mundo (1,19-12,50), como Messias, Filho de Deus, através de sinais, discursos e encontros. Distinguem-se aqui cinco grandes secções:
1. Primeiro ciclo da manifestação de Jesus: 1,19-4,54. Semana inaugural.
2. Jesus revela a sua divindade: Ele é «o Filho», igual ao Pai: 5,1-47
3. Jesus é «o Pão da Vida»: 6,1-71.
4. Jesus é «a luz do mundo»: grandes declarações messiânicas por ocasião das festas das Tendas e da Dedicação: 7,1-10,42.
5. Jesus é «a vida» do mundo: 11,1-12,50.
II. Revelação de Jesus aos seus (13,1-21,25): manifestação a todos como Messias e Filho de Deus através do “Grande Sinal”, por ocasião da sua Páscoa definitiva.
6. A Última Ceia: 13,1-17,26.
7. Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus: 18,1-20,29.
Epílogo (20,30-21,25): dupla conclusão. Aparição na Galileia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário