ESCOLA DE MÚSICA - ELLAM

CRISTO É UMA QUESTÃO DE OPÇÃO

CRONOLOGIA BÍBLICA

CRONOLOGIA BÍBLICA

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

AS 10 VIRGENS O NOIVO E A NOIVA



                                      
                                             EXEGESE BÍBLICA 
                           AS 10 VIRGENS - O NOIVO  E  A NOIVA

    Exegese é a interpretação profunda de um texto bíblico, jurídico ou literário. A exegese como todo saber, tem práticas implícitas e intuitivas. A tarefa da exegese dos textos sagrados da Bíblia tem uma prioridade e anterioridade em relação a outros textos. 

   Isto é, os textos sagrados são os primeiros dos quais se ocuparam os exegetas na tarefa de interpretar e dar seu significado. A palavra exegese é oriunda do grego exegeomai, exegesis: ex tem o sentido de retirar, derivar, ex-trair, ex-ternar, ex-teriorizar, ex-por e "hegeisthai" o de conduzir, guiar.

    Por isso, o termo exegese significa, como interpretação, revelar o sentido de algo ligado ao mundo do humano, mas a prática se orientou no sentido de reservar a palavra para a interpretação dos textos bíblicos. Exegese, portanto, é a denominação que se confere à interpretação das Sagradas Escrituras desde o século II da Era Cristã. 

    Orígenes, cristão egípcio que escreveu nada menos que 600 obras, defendia a interpretação alegórica dos textos sagrados, afirmando que estes traziam, nas entrelinhas de uma clareza aparente, um sentido mais profundo. 

   O termo exegese restou ligado à interpretação alegórica, ensejando abusos de interpretação, a ponto de alguns autores afirmarem, ironicamente, que a Bíblia seria um livro onde cada qual procura o que deseja e sempre encontra o que procura.

   Ser exegeta é contextualizar o que foi escrito com a cultura da época e extrair os princípios morais para o tempo presente.
 
- O QUE É UMA PARÁBOLA?                           

    Os 66 livros da Bíblia consistem de variados estilos e dispositivos literários, incluindo as parábolas de Jesus. Na verdade, a Bíblia contém algumas das mais vívidas ilustrações que vão além de sua aplicação espiritual, evocando uma vasta abrangência de emoções. A parábola é uma ferramenta literária empregada no Antigo e Novo Testamento. Jesus foi quem utilizou este método mais frequentemente. 

   Termo “parábola” provém do grego parabole que indica a colocação de coisas uma ao lado da outra para fins de comparação. Como um prendado contador de casos, como eram muitos dos rabis (mestres), Jesus usava constantemente parábolas no exercício de seu ministério de ensinamento. Geralmente falando, uma parábola é um conto fictício, embora normalmente realista. A finalidade das parábolas bíblicas era transmitir uma verdade espiritual superior.

   A originalidade das parábolas de Jesus não consiste tanto em seu conteúdo como na finalidade que ele tem em mente ao contá-las. Para ele a parábola é mais do que apenas recurso didático destinado a iluminar e esclarecer o significado de algum texto bíblico (que é o método rabínico); é antes de tudo uma forma de proclamação – as parábolas são a própria pregação.

   Uma parábola pode conter uma palavra principal que é utilizada como um modelo de um outro conceito ou objeto singular. Porque as parábolas se assemelham a acontecimentos prováveis, alguns estudiosos acreditam que as parábolas bíblicas realmente aconteceram. A parábola do homem rico e Lázaro, encontrada em Lucas 16:19-31, é um exemplo disso. Alguns argumentam que esta parábola inclui pessoas e eventos reais; outros acreditam que ela foi apenas uma lição fictícia dirigida por Jesus aos corações endurecidos daquela época.

As Parábolas são divididas em 3 classes:
·         Parábolas verídicas – a ilustração é tirada da vida diária, portanto seu ensino pode ser reconhecido de forma universal. Ex.: os meninos que brincam na praça (Mateus 11:16-19Lucas 7:31-32); a ovelha separada do rebanho (Mateus 18:12-14Lucas 15:4-7); uma moeda perdida numa casa (Lucas 15:8-10).

·    Parábolas em forma de histórias – refere-se a acontecimentos passados que são centralizados diretamente em uma pessoa. Ex.: o mordomo sagaz que endireitou a sua situação depois de ter esbanjado o patrimônio do seu senhor (Lucas 16:1-9); o juiz que acabou finalmente administrando justiça como respostas às repetidas súplicas de uma viúva (Lucas 18:2-8).

           Ilustrações – são histórias que focalizam exemplos a serem imitados. Ex.: a Parábola do Bom Samaritano (Lucas 10:30-37).

    Jesus falava de um modo simples, para que todas as pessoas entendessem sua mensagem. Ele falava através de parábolas, ou seja, contando histórias e fazendo comparações. Jesus observava o que acontecia no dia-a-dia com as pessoas e tirava lições disso para ensinar a todos. Por isso ele comparava o Reino de seu Pai com a vida das pessoas, das coisas, da natureza. Usava os símbolos que o povo conhecia, como a semente, as aves, a luz, a rede de pescar, entre outros. Suas palavras eram cheias de vida e bastantes claras.

QUEM SÃO AS VIRGENS 

         Na parábola usada por Jesus, as virgens eram as mulheres ou as (noivas) que esperavam o retorno dos noivos; Este noivo já havia firmado um compromisso com os pais da noiva, isto era a tradição do noivado judaico.   

          Aplicação - Espiritualmente as Noivas (virgens)- representam os crentes e não deve ser lido nem visto literalmente. Todos os crentes são vistos como Virgens diante de Deus – separados para o deleite de Deus.

 LIGEIRA ANÁLISE SOBRE AS VIRGENS
PRUDENTES E LOUCAS

          - A Bíblia é categórica ao afirmar que as noivas eram todas virgens – o texto não coloca em dúvida o fato; Todavia vejo que esta não é a questão principal desta Parábola.

- Observo que a questão aqui também não seja se as virgens eram - falsas ou verdadeiras.
- O texto enfatiza e deixa claro que elas eram mistas, ou seja 5 prudentes e 5 néscias; Todas possuíam luz em suas lâmpadas; Aplicando isto podemos afirmar que elas nasceram de novo, tiveram seu espírito recriado na conversão, Más!.

- Pôr possuírem lâmpadas, posso concluir, que essa lâmpada significa obras, ou seja as noivas tinham obras, isto é testemunho diante de Deus; se a lâmpada no contexto bíblico significa a Palavra, posso afirmar que elas tinham a Palavra consigo; Baseio-me em (Salmo 119:105 “Lâmpada para os meus pés é a Tua palavra e luz para os meus caminhos”).

-  Observo o que diz texto, elas foram encontrar-se com o noivo portanto eram crentes, se não “fossem crentes”, nunca iriam se encontrar com o noivo; Creio que um incrédulo não vai atrás de Cristo. É o Senhor Jesus Cristo que toma a iniciativa de amor indo de encontro com o homem perdido sem Deus.

 - Me surge então a seguinte pergunta, porque da existência dessas noivas, digo os crentes, as Loucas e as Prudentes?  Responderei assim, todas elas possuíam óleo nas lâmpadas, só que umas tinham mais que as outras. Para as prudentes havia azeite na reserva para ser usado na falta dele, já as imprudentes não tinham azeito de reserva, evidencia-se aqui o problema “não ter azeito na reserva” é um problema grave na vida do crente. Sabe porque o azeite simboliza na bíblia; O Espírito Santo.

A aplicação: - Se o Senhor “não” tivesse demorado, as virgens néscias teriam entrado pela porta? Sim ou Não, Sim teriam entrado; Porem o noivo demorou! O grande problema desta parábola consiste no “tempo e na espera”. 

         É doloroso vê quantos crentes param na jornada devido a espera, o tempo vai passando o azeite vai secando e estes deixam secar o óleo, a sua luz apaga, e ficam pelo caminho, outros tornam-se frios e mornos; Estes serão vomitados Ap. 3:15-16

  Tem outra aplicação a ser vista: Outro foco; A seriedade diante do Senhor, observe que o texto diz, quando o noivo chegou, as virgens néscias pediram azeite às prudentes, então as prudentes disseram não; O que isto significa? Significa que cada um de nós devemos ter a medida da Unção “individualmente”; - Uma questão! Será que se as néscias não fossem “crentes”, as prudentes nunca poderiam ter negado do Espírito para elas. No entanto elas disseram:

   “Vão comprar”! - Observo que a esta parábola não fala da salvação, porque se assim fosse a salvação poderia ser comprada através de outros caminhos; Além do mais pergunto a salvação está à venda? Ou ela já foi paga e por um alto preço.

    Abíblia me ensina que a Salvação é de Graça (“pela Graça sois salvos mediante a fé, e isto não vem de vós é dom de Deus”). Se as virgens néscias eram descrentes, então as prudentes pecaram, porque não quiseram dar do que tinham às outras. A Bíblia não as repreende por isso. E no verso 13 o Senhor nos manda vigiar, pois não sabemos o tempo e a hora. Descrente não vigia, ele anda gozando a vida e seus prazeres regaladamente sem nenhuma preocupação com o seu destino na era vindoura – agora aqueles que vigiam são os crentes.

  Como resolver a questão? A bíblia resolve - “"Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos." (Mateus 22 : 14). Os  que vigiam estão cheios do Espírito Santo o seu cálice transborda noite e dia; - Mas existem aqueles que estão no caminho ouvem a voz do mestre tem o Espírito Santo em sua vida comunga e compartilha da vida cristã, todavia limita a ação do Espírito Santo, estes tem pouco azeite em suas lamparinas e não estarão prontos para encontrar o Senhor.   

- Assim penetramos no coração de toda a parábola das 10 (deis) virgens, 5 (cinco) prudentes e as 5 (loucas) loucas, na parábola Jesus classificação os 2 (dois) tipos de crentes, ainda revela as suas qualidades; A parábola é uma exortação; Jesus adverte claramente dizendo aqueles que não estiverem com azeite na reserva ouviram o Senhor dizer  Mt.25:12 não vos conheço.

AS VIRGENS

b) Prudentes - Estas estão atentas ao compromisso que o noivo fez com ela; Elas não sabem quanto “tempo” levara o noivo para voltar para a buscar para sua nova casa; Porem elas confiam no compromisso firmado pelo noive e sabes que ele voltara para a desposar, é nessa esperança que elas mantém acesso o fogo da lamparina, e ainda tem reserva de azeite, para usar.
            Aplicação -      É o crente que vigia.

a) Loucas – Elas também estão atentas ao compromisso do noivo; Também não sabem a que horas o noivo virar, suas lamparinas se mantém acessas e fogo da lamparina acesso; Porem na demora do noivo elas não possuem reserva de azeite para usar.

           Aplicação -      É o crente que não vigia.
       Observação – O texto fala em ir comprar mais aceite, porem o noivo chega e elas perdem o encontro; A aplicação é que o crente deve sempre “Buscar” o azeite ter de reserva, e não sair para comprar, ou seja o crente deva sempre “Buscar” através de oração da consagração e na santificação.          
  QUEM É O NOIVO  -  O Noivo, representa o Senhor Jesus Cristo.

Exegese de Mateus 25:7-9
“Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas.
 E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam.
  Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós.”

I)
Lâmpada com fogo
“Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas.”
Nos cortejos de casamento geralmente era levado dez tochas acessas (lâmpadas), se o cortejo fosse à noite, conforme era usual entre os gregos e os romanos mais também com alguma frequência, entre os Judeus. Portanto o fogo era necessário para iluminar todo cortejo.

Simbolismo

  - O fogo representa a vida externa de santidade, mediante a qual o discípulo de Cristo permite que a sua luz brilhe diante dos homens (Mt. 5.16).
Óleo 

“Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas.”
   O óleo ou o azeite era o único ingrediente necessário para assegurar um cortejo bem-sucedido, especialmente se o cortejo fosse à noite.

Simbolismo
               O azeite ou o óleo
                          - Pode ser símbolo do Espírito Santo.
 Onde comprar azeite ou óleo

- “Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. “
Certamente é muito incomum uma loja abrir-se a meia-noite, embora que o grito despertou a todos, podendo haver possibilidade das virgens loucas poderem adquirir azeite.

A compra de azeite não tem haver sobre cobrar para questão ministerial.
Podemos assim entender, como o azeite é símbolo do Espirito Santo, para ser cheio do Espirito é necessário “pagar o preço”, comprar azeite.
II)

a) TARDANDO O NOIVO - Jesus Cristo sendo Judeu, não poderia usar em sua parábola outro costume que não fosse judaico.

   Quando um jovem Judeu, nos tempos de Jesus, encontrava a mulher que queria, ele teria que ir à casa dela com uma proposta, com um contrato de matrimônio, um acordo legal e verdadeiro, dando os termos pelos quais ele estava propondo o casamento. O mais importante a ser considerado no contrato, era o preço que o noivo estaria disposto a pagar para desposar aquela noiva em particular.

    Quando esse assunto estava encerrado, o noivo deveria partir, ele deveria fazer um breve discurso à sua noiva, dizendo: “Eu vou preparar um lugar para você”. Então ele voltaria para casa de seu pai.
  Ele deveria construir para sua noiva uma câmara de núpcias, uma pequena suíte, na qual eles teriam uma futura lua de mel. E ali deveria haver provisões estocadas, pois os noivos deveriam permanecer 7 dias ali dentro.

Uma observação importante é que o pai do noivo era o juiz, no que diz respeito à decisão do término da obra.

    Por sua vez, a noiva, estaria obrigada a esperar pacientemente, ela deveria gastar tempo em se preparar para quando o noivo voltasse para busca – la e era – lhe necessário ter consigo uma lâmpada de óleo, em caso do noivo chegar a altas horas da noite, pois ela deveria estar pronta para viajar a qualquer momento, ou seja, assim que solicitada. Durante esse longo período de espera, ela deveria ser conhecida como: “ consagrada, separada e comprada por preço” .

  APLICAÇÃO

    A aplicação dessa parábola é bem clara, assim como esse jovem pagou um preço muito alto para ter sua noiva, assim também Cristo pagou um preço muito alto se entregando na cruz do calvário em favor de nossas vidas.      

    Por isso somos considerados como a noiva de Cristo. E assim como o jovem voltou para a casa de seu pai para a preparação da suíte nupcial, assim também Jesus voltou para o Pai e nos fez uma promessa: Que voltaria para nos buscar, pois iria preparar um lugar!  Enquanto isso, nós como noiva, teremos que esperar pacientemente o retorno do nosso Senhor Jesus, estando sempre prontos, separados e consagrados para o grande dia.

b)  FECHOU – SE A PORTA

    Esse é o momento mais esperado dos noivos. Onde a porta da câmara da suíte nupcial seria fechada e não mais aberta, até que cumprisse o período nupcial de 7 dias, onde o noivo junto com a noiva seriam uma só carne. E ao se completar uma semana eles saem para a grande ceia com todos os convidados.

APLICAÇÃO

   A porta fechada é o período em que nós, a igreja do Senhor, estaremos durante 7 anos com Cristo nas Bodas do Cordeiro.

   Por outro lado os que não puderam entrar, seriam enganados pelo anticristo e pelo falso profeta durante 7 anos. 3 anos e meio sendo enganados e mais 3 anos e meio sofrendo toda sorte de tribulação.

 QUEM É A NOIVA:           

A noiva é a comunidade cristã ou seja a igreja.
   O texto diz que “o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo” (Mt.25:1).

   O primeiro passo que devemos tomar é identificar quais e quantos são os elementos que compõe essa parábola, assim vejamos:

   O primeiro elemento apresentado são as virgens, o segundo é o noivo, porem a noiva não é apresentada em parte alguma do texto, Mateus 25:1-13 .

  O que me leva a vê que a identificação da mesma não seja de vital importância, porque se assim o fosse o autor da parábola a destacaria, e isto não ocorre no texto.

  Todavia não existe noivo sem que haja uma noiva, mesmo que o texto não a destaque ela é um elemento presente mesmo que ocultamente dentro da parábola; Surge então a seguinte pergunta onde encontra-se a noiva?

  Para que essa pergunta seja respondida coerentemente e torne-se clara, temos a necessidade de estudarmos a cultura do povo e um pouco do contexto bíblico. 

  Com já disse a noiva encontra-se oculta. E ela não é vital na parábola.

  Vamos em busca dessa noiva!; Creio que soaria estranho aos nossos ouvidos afirmar ou dizer que Jesus defendia a poligamia e isto efetiva não é uma verdade; - E então porque as “dez virgens”?, em vez de uma só.

   O texto apresenta, as dez virgens a espera do noivo, e diz que na chegada do noivo elas vão ao seu encontro.

  É aqui neste ponto onde quero me ater, devemos observar que para a devida compreensão do texto devemos buscar  conhecimento dos “hábitos e costumes” ou seja da cultural do povo judeu relativo ao casamento.

   Afinal quem eram as virgens da parábola, elas não seriam desposadas pelo noivo, quanto a isto já me referi acima sobre “a poligamia”; Dentro da cultura judaica  As virgens participavam do noivado como “madrinhas” da noiva.

  Assim as virgens “madrinhas” de acordo com o protocolo, deveriam sair ao encontro do noivo, com suas lâmpadas devidamente acesas, para acompanhar e conduzir o noivo até a presença da noiva, esta era uma das partes da cerimônia do ritual de casamento ou as bodas judaicas.

  Figuradamente podemos afirmar que o noivo representa o próprio Cristo.

  E a noiva, embora não figure na parábola, é a Igreja do Senhor.

  E quem seriam, então, as virgens? As duas classes de crentes.

  Ainda temos um por menor importantíssimo a ser verificado, além das virgens madrinhas, no cerimonial de casamento o noivo também era assistido por um amigo, geralmente aquele que fosse considerado o seu melhor amigo.

  E quem era o amigo do noivo?.
                             
João 3

28  Vós mesmos me sois testemunhas de que disse: Eu não sou o Cristo, mas sou enviado adiante dele.
29  Aquele que tem a esposa é o esposo; mas o amigo do esposo, que lhe assiste e o ouve, alegra-se muito com a voz do esposo. Assim, pois, já este meu gozo está cumprido.
30  É necessário que ele cresça e que eu diminua.

   Como sabemos o texto fala sobre João Batista o qual se apresenta como “o amigo do Noivo”.

   Assim como não podemos confundir o noivo com o amigo do noivo, também não podemos confundir a noiva com as dez virgens.

                                                                                                                 Smodger Silva
   Bibliografia

COMENTARIO NORMAN Champlin  - INTERPRETADO VERSICULO POR VERSICULO. Paginas 572, 573,574.
COMPREENDO TODAS AS PARÁBOLAS DE JESUS -  KLYNE SNODGRASS
O NOVO TESTAMENTO INTERPRETADO – RUSSELL NORMAN CHAMPLIN 

4 comentários:

  1. esta cor roxa dou a vista ao ler poderia deixar branco.

    ResponderExcluir
  2. tem uma parte que vc fala de uma cerimonia de casamento judaico sobre as virgens que levam as lampadas, a pergunta é ali fala do noivo ou do esposo. onde as virgens ficam em um lugar reservado com os convidados esperando o noivo (esposo) aparecer. email para resposta fabianolopes2010@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Amei de mais....
    Ponha mais postes sobre a volta de jesus

    ResponderExcluir